Mastro Mestre

Deslizando a lona da vela sobre o mastro mestre da nau se apreende que há uma voz interior, e anterior a tudo, que nos assiste em nosso curso de viagem. Ana Balesca, por exemplo, prepara o pão da manhã à maneira de minha mãe em tempos de Escola Musso: pão de arroz integral, nossa tradição

A mulher do barro

Se do nada partimos, construindo visões de futuro, o quanto dirá aquele que vê possível! De nosso diário de bordo, 12 de outubro de 2018 Gi Nascimento Estou há poucas semanas em uma nova rota de navegação, aprendendo com esse nosso espaço de diálogo o que dá certo, e desenvolvendo uma história pessoal e humana

Navegar é preciso

Em que realidade vivemos? Já faz alguns anos que construímos essa embarcação virtual e agora toda experiência obtida por meio dela pode nos trazer um novo meio de vida. Recapitulando nossas últimas postagens, lembro de relatar o desembarque que tivemos que fazer à costa, depois de um período intenso de chuvas. Desde que de lá

Ilhas Virtuais – a prática de ritmos em um movimento fundamental

Das origens: Nenhum homem é digno de ser seguido por quem quer que seja, não há no mundo dos homens qualquer fundamento que o salve de eventos futuros internos ou externos a ele. Em fins do século passado, década de 1990, a tradição de origem nipônica da Escola Musso tornou-se palco principal de minha vida